O que Significa Doença Degenerativa do Disco?

O que Significa Doença Degenerativa do Disco?

Doença Degenerativa do Disco. Os discos intervertebrais de quase todas as pessoas mostram sinais de desgaste à medida que envelhecem. Nem todos, no entanto, terão doença degenerativa do disco. Na verdade, esta não é uma doença, e sim uma condição na qual um disco danificado causa dor. Além disso, uma ampla gama de sintomas e gravidade está associada a essa condição.

Neste artigo, aprenda em que consiste a Doença Degenerativa do Disco e conheça as causas, sintomas e formas de tratamento para esta condição.

Em que Consiste a Doença Degenerativa do Disco

Composição dos Discos Intervertebrais

Os discos são como amortecedores entre os ossos da coluna vertebral e foram projetados para ajudar as costas a permanecerem flexíveis enquanto resistem a forças intensas em muitos planos de movimento diferentes. Cada disco intervertebral possui duas partes:

  • Uma camada externa firme e resistente, o ânulo fibroso. A porção externa desta camada contém nervos. Se o disco romper-se nesta área, pode tornar-se bastante doloroso.
  • Um núcleo macio e gelatinoso, o núcleo pulposo. Essa parte do disco contém proteínas que podem causar inchaço e sensibilidade nos tecidos que tocam. Se essas proteínas vazarem para os nervos da camada externa do disco, elas podem causar muita dor.

Ao contrário de outros tecidos do corpo, o disco intervertebral tem um suprimento sanguíneo muito baixo.

Uma vez que um disco é lesionado, ele não pode se reparar, e uma espiral de degeneração pode ocorrer em três estágios que parecem ocorrer ao longo de 20 a 30 anos:

  1. A dor aguda dificulta o movimento normal das costas;
  2. O osso onde a lesão ocorreu se torna relativamente instável. Durante um longo período de tempo, o paciente terá dores nas costas que vão e vêm;
  3. O corpo reestabiliza o segmento lesionado das costas. O paciente experimenta menos crises de dor nas costas.

Causas da Doença Degenerativa do Disco

Vários fatores podem causar a degeneração dos discos, incluindo a idade. Fatores específicos incluem:

  • A secagem do disco. Quando nascemos, o disco possui cerca de 80% de água. À medida que envelhecemos, o disco torna-se mais seco e absorve impactos com mais dificuldade.
  • Atividades diárias e esportes, que causam rompimentos no núcleo externo do disco. Aos 60 anos, a maioria das pessoas têm algum grau de degeneração do disco. Nem todo mundo nessa idade tem dor nas costas, no entanto.
  • Lesões, que podem causar inchaço, dor e instabilidade. Isso pode resultar em dor lombar.

Sintomas da Doença Degenerativa do Disco

A pessoa típica com doença degenerativa do disco é ativa, de alguma forma saudável e tem entre 30 e 40 anos.

Os sintomas comuns desta condição incluem:

  • Dor que é pior quando sentado. Enquanto estamos sentados, os discos da região lombar têm três vezes mais carga do que quando estamos em pé.
  • Dor que piora ao dobrar, levantar ou torcer as costas.
  • Sentir-se melhor ao caminhar do que permanecendo sentado ou em pé por longos períodos de tempo.
  • Sentir-se melhor mudando de posição com frequência ou deitado.
  • Períodos de dor intensa que vêm e vão. Estes duram de alguns dias a alguns meses antes de melhorar. Eles podem variar de dor persistente a dor incapacitante. A dor pode afetar a região lombar, as nádegas e as coxas ou o pescoço, dependendo da localização do disco afetado, irradiando para os braços e mãos.
  • Dormência e formigamento nas extremidades.
  • Fraqueza nos músculos das pernas ou dos pés, um possível sinal de dano à raiz nervosa.

Diagnóstico da Doença Degenerativa do Disco

Um diagnóstico é baseado em um histórico médico e em um exame físico, bem como nos sintomas e nas circunstâncias em que a dor começou. A ressonância magnética pode mostrar danos aos discos, mas por si só não pode confirmar a doença degenerativa do disco.

Tratamento da Doença Degenerativa do Disco

As opções de tratamento incluem substituição de disco, outras intervenções cirúrgicas e opções não cirúrgicas, como acupuntura, fisioterapia e medicamentos para dor.

Referência: Johns Hopkins Health System

Compartilhar: