Como Tratar Fratura na Vértebra

Como Tratar Fratura na Vértebra

Como Tratar Fratura na Vértebra. Ao contrário das fraturas de quadril, que quase sempre resultam de uma queda, as fraturas vertebrais geralmente envolvem pouco ou nenhum trauma. As vértebras enfraquecidas pela osteoporose não podem suportar a tensão e a pressão normais, então podem sucumbir a um simples movimento – curvar-se, virar-se rapidamente ou levantar uma janela.

Em outro artigo aqui no blog, já abordamos as causas e sintomas da fratura vertebral. Neste artigo, no entanto, vamos explicar sobre as formas de tratamento.

A Fratura na Vértebra

Uma vértebra não se quebra no sentido usual da palavra. Em vez disso, ela desmorona, como um copo de papel é esmagado quando você pisa nele. O termo comum para esse tipo de quebra é fratura por compressão.

Uma única fratura pode parecer de pouca consequência, mas ter implicações de longo prazo, incluindo um risco maior de novas fraturas.

O efeito cumulativo de múltiplas fraturas pode ser devastador. A dor resultante pode ser aguda ou surda e pode ser sentida no local da fratura ou mais longe nas laterais ou no abdômen. Em muitos casos, há pouca ou nenhuma dor, e o principal sinal é a perda gradual de altura ou postura encurvada.

As fraturas por compressão podem causar quase tanta incapacidade física e funcional quanto as fraturas de quadril. A dor pode se tornar crônica à medida que os músculos das costas trabalham mais para acomodar as mudanças na coluna. Pode ser necessário usar uma bengala ou andador, e andar de carro por mais do que alguns minutos pode se tornar insuportável.

Felizmente, temos mais maneiras de lidar com essas fraturas do que tínhamos há dez anos, incluindo procedimentos que aliviam a dor, reforçam as vértebras danificadas e reduzem a incapacidade.

Como Tratar

O tratamento para fraturas vertebrais começa com analgésicos de venda livre, como paracetamol, aspirina ou ibuprofeno. A dor intensa pode exigir repouso de curto prazo e medicamentos mais fortes, começando com baixas doses de opiáceos.

O repouso prolongado na cama deve ser evitado, pois pode contribuir para a perda óssea e outros problemas de saúde. Bolsas de gelo ou calor aplicadas na área afetada da coluna também podem ajudar.

Uma cinta para as costas geralmente é recomendada para ajudar a controlar a dor e estabilizar a coluna durante a cicatrização. A cinta foi projetada para manter a coluna mais reta do que o normal, aliviando a pressão sobre as vértebras danificadas e reduzindo a chance de colapso adicional. A cura pode levar até três meses. Após este período, a cinta não deve ser usada, pois pode enfraquecer os músculos do tronco.

Os pacientes geralmente são incentivados a praticar exercícios leves, como nadar ou caminhar, assim que puderem tolerar os movimentos. Eventualmente, eles devem adicionar o fortalecimento dos músculos do tronco à sua rotina.

Avaliando e Tratando a Osteoporose

Os pacientes devem ser avaliados para osteoporose com teste de densidade mineral óssea, e a osteoporose deve ser tratada com medicamentos padrão para osteoporose, como os medicamentos bifosfonatos.

Estes medicamentos podem ajudar no tratamento da dor aguda, mas seu principal benefício é o aumento da densidade mineral óssea. A longo prazo, eles podem reduzir a taxa de novas fraturas vertebrais em até 50%.

Quando Recorrer à Cirurgia

O uso de órtese (cinta ou colete) e analgésicos geralmente são testados primeiro para ver se a fratura cura por conta própria. Se a pessoa continua a ter dor – geralmente depois de quatro a seis semanas – o procedimento cirúrgico é considerado.

Dois procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos – vertebroplastia e cifoplastia – envolvem a injeção de um cimento médico para estabilizar vértebras comprimidas. Introduzido nos Estados Unidos na década de 1990, eles estão cada vez mais disponíveis para o tratamento da dor da fratura que não responde à terapia mais conservadora.

A principal razão para esses procedimentos é promover o alívio da dor, e em cerca de 85% a 90% dos casos, há um alívio imediato. Uma teoria é que a dor é em grande parte uma resposta inflamatória à distribuição desigual das forças mecânicas causadas pela fragmentação óssea. Acredita-se que o cimento ajude a estabilizar a vértebra, o que reduz a inflamação e, portanto, a dor. Também é possível que o cimento destrua as terminações nervosas condutoras de dor na vértebra.

Antes de qualquer procedimento, a ressonância magnética geralmente é realizada para determinar se o paciente tem probabilidade de se beneficiar. Um bom candidato é aquele cuja ressonância magnética mostra a presença de edema ósseo, ou fluido. Se o edema ósseo estiver ausente, isso significa que a fratura foi curada e não é a causa da dor. Uma ressonância magnética também pode ajudar a determinar se um disco, a medula espinhal ou outro tecido mole está envolvido.

Alguns médicos acham que os pacientes devem se submeter a vertebroplastia ou cifoplastia como primeira escolha, em vez de esperar de quatro a seis semanas para julgar o efeito de analgésicos, órteses e repouso. Mas a maioria acredita que, até que saibamos mais sobre os riscos, benefícios e efeitos de longo prazo desses procedimentos, tentar medidas conservadoras em primeiro lugar parece prudente.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Compartilhar: