Do que se Trata a Dor Ciática, Afinal?

Do que se Trata a Dor Ciática, Afinal?

Do que se Trata a Dor Ciática, Afinal? A dor ciática é definida como dor ou desconforto associado ao nervo ciático, que vai da parte inferior das costas até a parte de trás das pernas até os pés. Ocorre mais comumente em adultos entre 20 e 60 anos. Estima-se que até 40% da população experimentará este sintoma em algum momento de suas vidas.

Continue a leitura e conheça melhor este tipo de dor, suas causas, tratamento e prevenção.

A Dor Ciática

O nervo ciático é o maior e mais longo nervo do corpo. Origina-se na parte inferior da coluna, ramifica-se na pelve, em seguida, viaja através das nádegas, descendo pelas costas das pernas e ramos para as pernas e pés inferiores. A dor ciática ocorre quando há pressão, inflamação ou lesão do nervo ciático.

A causa mais comum é o prolapso de um disco (também conhecido como hérnia de disco). Isso ocorre quando um dos discos entre as vértebras da coluna vertebral rompe, comprimindo e/ou irritando o nervo ciático.

Espasmos musculares também podem causar dor ciática, comprimindo o nervo ciático, uma vez que percorre os músculos. Uma dessas condições é a síndrome do piriforme, em que o músculo piriforme irrita o nervo ciático. Outras causas menos comuns de ciática incluem infecções e tumores.

Nos grupos etários mais avançados, a ciática geralmente ocorre como resultado de condições causadas pela degeneração da coluna vertebral, como a estenose do canal espinhal. É quando os caminhos pelos quais o nervo ciático viaja são estreitados. Novamente, isso causa compressão do nervo ciático.

Dor Ciática – Fatores de Risco

Fatores que aumentam a probabilidade de desenvolver ciática incluem:

  • Idade;
  • Gravidez;
  • Estar acima do peso;
  • Fumar;
  • Trabalhos que envolvem torcer as costas ou transportar cargas pesadas;
  • Ficar sentado por longos períodos.

Essencialmente, qualquer lesão ou processo que cause compressão do nervo ciático pode causar dor ciática. Em muitos casos, no entanto, nenhuma causa específica para a dor ciática pode ser identificada.

Dor Ciática – Sintomas

A dor ciática pode variar de leve a muito grave. Ocorrendo de repente ou com um início gradual. É comumente descrita como uma dor semelhante a cãibras que pode ser ardente ou como agulhadas. Pode estar associada também a sensações como formigamentos, dormência e fraqueza.

A dor é tipicamente sentida na região lombar e no quadril e irradia-se pelas costas de uma das pernas. A característica que a distingue de outros tipos de dor nas costas é que a dor passa abaixo do joelho. A dor pode ser agravada por ações específicas, como espirros, tosse, levantar ou sentar.

A dor e os sintomas geralmente são mais graves nos estágios iniciais da doença, quando a compressão e a inflamação do nervo ciático são maiores. É comum a dor diminuir gradualmente após um tempo até que se resolva completamente – geralmente dentro de quatro a oito semanas.

Em casos raros, a compressão do nervo ciático pode ser tão severa que há fraqueza progressiva nas pernas e/ou perda da função intestinal e da bexiga. Se esses sintomas forem experimentados, a atenção médica deve ser procurada imediatamente, pois podem sinalizar danos severos ao nervo.

Alívio e Tratamento da Dor

O objetivo principal do tratamento inicial é o alívio da dor. As abordagens terapêuticas incluem:

Atividade Moderada

Tradicionalmente, o repouso no leito foi recomendado no tratamento da ciatalgia, mas esse não é mais o caso. A pesquisa indicou que o repouso no leito não tende a acelerar a recuperação e pode, de fato, atrapalhá-lo. Recomenda-se agora que a atividade física pesada deva ser evitada, mas a atividade moderada deve ser mantida. Acredita-se que a manutenção da atividade auxilie na recuperação geral, ajudando a reduzir a inflamação.

Medicamentos

Medicamentos analgésicos, como paracetamol e anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs) são comumente usados ​​para tratar a dor ciática. Nos casos em que se pensa que os espasmos musculares são a causa, medicamentos relaxantes musculares podem ser recomendados. Quando a dor é grave, o uso de opioides (por exemplo: morfina) pode ser necessário. Outros medicamentos que podem ser usados ​​são antidepressivos de baixa dosagem (estes reduzem a estimulação do nervo) e injeções de cortisona epidural.

Fisioterapia e Tratamentos Alternativos

Manipulação, o uso de calor e/ou frio e exercícios específicos podem ser úteis no tratamento da condição. Uma vez que a dor tenha melhorado, um fisioterapeuta pode elaborar um programa de reabilitação para evitar futuras lesões.

Algumas pessoas podem encontrar alívio dos sintomas através de massagem ou acupuntura.

Cirurgia

Embora a maioria dos casos se resolva dentro de quatro a oito semanas, a cirurgia pode precisar ser considerada em casos graves e prolongados em que o tratamento não cirúrgico não foi bem-sucedido. A cirurgia visa aliviar a pressão no nervo ciático. Isso pode envolver a remoção de parte de um dos discos intervertebrais (discectomia) ou a remoção da causa da pressão no nervo (descompressão). Apenas cerca de cinco por cento dos pacientes precisam de cirurgia. Todas as outras formas de tratamento devem ser esgotadas antes da cirurgia ser considerada.

Prevenção da Dor

Embora a dor ciática seja comum, existem várias medidas que podem ajudar a evitar que ela ocorra ou se repita:

  • Mantenha a postura correta ao ficar em pé, andar e sentar.
  • Realize exercícios que mantenham a aptidão aeróbica, força e flexibilidade nos músculos abdominais e espinhais.
  • Pratique técnicas de levantamento seguras. Ao levantar, dobre os joelhos e mantenha as costas retas. Ao fazer isso, a tensão é tomada pelos quadris e pernas, não pelas costas. Segure o objeto perto do corpo. Quanto mais longe do corpo estiver o objeto, mais estresse é colocado na parte inferior das costas.
  • Certifique-se de que suas costas estejam bem apoiadas quando estiver sentado. Use cadeiras que ofereçam um bom suporte para as costas e sejam projetadas para proporcionar uma boa postura de assento.
  • Não fume.
  • Mantenha um peso corporal saudável.

Não deixe de procurar um cirurgião de coluna para um diagnóstico adequado de seus sintomas.

Compartilhar: