Escoliose Idiopática do Adolescente

Escoliose Idiopática do Adolescente

A escoliose em pacientes entre 10 e 18 anos de idade é denominada escoliose do adolescente e pode ser devido a muitas causas. De longe, o tipo mais comum é aquele em que a causa não é conhecida. E, por este motivo, é chamada de escoliose idiopática do adolescente (EIA).

Continue a leitura deste artigo para conhecer os métodos que utilizamos para determinar o risco de progressão da curvatura nesse tipo de escoliose e os métodos de tratamento.

Características da Escoliose Idiopática do Adolescente

Existem algumas características visíveis associadas à escoliose idiopática do adolescente, dependendo do padrão da curva e do tamanho ou magnitude da curva:

  • Uma das mais comuns é a assimetria da altura do ombro, na qual um ombro aparece mais alto que o outro;
  • Um deslocamento do corpo para a direita ou para a esquerda pode ocorrer especialmente quando há uma única curva na coluna torácica ou lombar sem uma segunda curva para ajudar a equilibrar o paciente;
  • Isso geralmente é visto como alguma assimetria da cintura na qual um quadril parece estar mais alto que o outro e pode resultar em uma perna mais alta que a outra.

Pacientes com EIA geralmente têm uma aparência normal quando vistos de lado.

Causas

Há esforços significativos sendo feitos para identificar a causa da EIA, mas até o momento não há causas bem aceitas para esse tipo específico de escoliose. A grande maioria dos pacientes são saudáveis ​​e não têm histórico médico prévio.

Existem muitas teorias sobre a causa da AIS, incluindo:

  • Desequilíbrio hormonal;
  • Crescimento assimétrico;
  • Desequilíbrio muscular.

Aproximadamente 30% dos pacientes com EIA têm algum histórico familiar de escoliose e, portanto, parece haver uma conexão genética.

Sintomas

A escoliose idiopática do adolescente geralmente não resulta em dor ou sintomas neurológicos. A curva da coluna não exerce pressão sobre os órgãos, incluindo o pulmão ou o coração, e sintomas como falta de ar não são observados.

Quando a escoliose começa na adolescência, os pacientes podem ter alguma dor nas costas, geralmente na região lombar. Entretanto, a dor lombar não é incomum em adolescentes em geral, devido à participação em um grande número de atividades sem ter uma boa força abdominal e nas costas, bem como flexibilidade dos isquiotibiais.

Se sintomas como dor ou problemas neurológicos ocorrerem, pode ser necessário fazer uma avaliação e testes adicionais, como ressonância magnética ou tomografia computadorizada, para revisar outros fatores, por exemplo, para ver a medula espinhal em busca de anormalidades.

A probabilidade de ter algo anormal na ressonância magnética é muito pequena, mas exigiria avaliação adicional com um neurocirurgião se anormalidades forem observadas.

Tratamento

O tratamento da escoliose idiopática do adolescente se divide em três categorias principais, baseado no risco de progressão da curva:

  • Observação;
  • Órteses;
  • Cirurgia.

Como a escoliose aumenta durante o crescimento rápido, o potencial de crescimento é avaliado levando-se em consideração a idade da paciente, se as mulheres tiveram sua primeira menstruação, bem como parâmetros radiográficos.

Observação

A observação é geralmente para pacientes cujas curvas são menores que 25º e que ainda estão crescendo, ou para curvas menores que 50º em pacientes que completaram seu crescimento.

Tratamento Alternativo

Tratamentos alternativos para prevenir a progressão da curva, como medicina quiroprática, fisioterapia, ioga, etc., não demonstraram nenhum valor científico no tratamento da escoliose.

No entanto, esses e outros métodos podem ser utilizados se fornecerem algum benefício físico ao paciente, como fortalecimento dos músculos abdominais, alívio dos sintomas, etc. Eles não devem, no entanto, ser utilizados para tratar formalmente a curvatura na esperança de melhorar a escoliose.

Uso de Órteses

A órtese é indicada para pacientes com curvas que medem entre 25º e 40º durante a fase de crescimento. O objetivo é evitar que a curva fique maior. Isso é feito corrigindo a curva enquanto o paciente está na órtese para que a curva não progrida com o tempo.

Uma vez que a órtese é descontinuada, o melhor que se espera é não haver progressão da curva e permanecer na magnitude da curva presente quando a órtese foi iniciada.

Existem vários tipos de aparelhos disponíveis, mas todos eles funcionam da mesma maneira: são usados ​​sob a roupa e não podem ser vistos por outras pessoas.

Tratamento Cirúrgico

O tratamento cirúrgico é utilizado para pacientes cujas curvas são maiores que 45º enquanto ainda estão em crescimento ou maiores que 50º quando o crescimento parou. O objetivo do tratamento cirúrgico é duplo:

  • Evitar a progressão da curva;
  • Se possível, obter alguma correção da curva.

O tratamento cirúrgico hoje utiliza implantes de metal que são fixados à coluna e, em seguida, conectados a uma única haste ou duas hastes. Os implantes são usados ​​para corrigir a coluna e mantê-la na posição corrigida até que os segmentos da coluna que foram operados sejam fundidos como um osso.

Muitos fatores entram na decisão quanto à abordagem cirúrgica e seu médico revisará as opções e escolherá a melhor abordagem para você.

Após o tratamento cirúrgico, nenhum órtese ou gesso externo é usado. A permanência hospitalar é geralmente entre 5 e 7 dias. O paciente pode realizar atividades diárias regulares e geralmente retorna à escola em 3-4 semanas. Dependendo das atividades do paciente, a participação plena é permitida entre 3 e 6 meses após a cirurgia.

Prognóstico

Em geral, EIA não causa sintomas e não deve restringir os pacientes em relação às atividades. Para aqueles pacientes que apresentam escoliose leve e que estão sendo acompanhados por seu médico, todas as atividades podem ser realizadas sem qualquer restrição ou risco de lesão.

Curvas grandes são mais propensas a progredir ou piorar. Curvas maiores que 45º em pacientes que estão crescendo, ou curvas maiores que 50º em pacientes que estão crescendo continuarão a progredir lentamente ao longo do tempo. Esta é uma regra geral e há exceções baseadas em vários fatores que seu médico determinará.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Compartilhar: