Espondilólise e Dor Lombar em Adolescentes

Espondilólise e Dor Lombar em Adolescentes

A causa identificável mais comum de dor lombar em adolescentes é a espondilólise. O surto de crescimento adolescente é um fator comum no desenvolvimento dessa lesão, pois o aumento da velocidade de crescimento coloca força adicional na coluna durante as atividades de extensão.

Esportes como ginástica, dança, saltos ornamentais, vôlei, remo e futebol também são tradicionalmente considerados de alto risco para espondilólise.

Continue a leitura deste artigo para compreender como a espondilólise pode ser a causa mais comum de dor lombar em adolescentes e como é feito o gerenciamento dessa condição.

Em que Consiste a Espondilólise

Espondilólise é uma fratura por estresse na pars interarticularis, uma porção do osso vertebral que une as articulações facetárias no aspecto posterior da coluna vertebral. Uma espondilólise geralmente é causada por estresse crônico aplicado à coluna lombar, assim como forças compressivas na pars interarticularis.

Acabe Com suas Dores nas Costas!
Agende uma Consulta agora com Cirurgião da Coluna.

Em uma pequena proporção de casos, um incidente agudo pode causar essa lesão. Uma espondilólise pode ser unilateral ou bilateral e é mais comumente observada no nível L5 da coluna vertebral (85% a 95% das vezes), seguida em frequência em L4. A espondilólise é possível, mas é muito menos comum, em níveis vertebrais lombares mais elevados.

Espondilólise em Atletas Adolescentes

Em geral, atletas adolescentes com dor nas costas apresentam maior prevalência de espondilólise em comparação com não atletas.

Deformidades da coluna vertebral, como cifose e espinha bífida oculta, também estão associadas à espondilólise. Isquiotibiais tensos, bem como fraqueza dos extensores glúteos e lombares, podem aumentar o risco dessa condição.

Os médicos de medicina do esporte e do exercício que cuidam do jovem atleta com dor lombar devem ter um alto índice de suspeita de espondilólise.

Acredita-se que sejam decorrentes de estresse repetitivo, seja por uso excessivo crônico ou sobrecarga aguda. Em particular, atividades que envolvem extensão repetitiva da coluna exercem carga excessiva sobre os elementos vertebrais posteriores, enfraquecendo a pars interarticularis e tornando-a suscetível a fraturas.

Características da Dor Lombar em Adolescentes por Espondilólise

O sintoma característico da espondilólise é a dor nas costas em extensão (quando arqueamos as costas para trás), que é frequentemente crônica. Menos comumente, irradia para as nádegas e pernas, embora sintomas neurológicos objetivos raramente estejam presentes.

Atividades extenuantes exacerbam os sintomas. O agravamento da dor também pode indicar espondilolistese e requer avaliação imediata.

Os atletas apresentam dor com extensão da coluna vertebral durante o exame físico. Outros sintomas que podem ser observados no exame físico incluem:

  • Sensibilidade na região lombossacral;
  • Amplitude de movimento toracolombar reduzida;
  • Lordose lombar achatada;
  • Isquiotibiais tensos.

Possíveis Complicações

A espondilolistese (deslizamento das vértebras) é uma complicação potencial de uma espondilólise. Isso ocorre quando há espondilólise bilateral com translação anterior (deslizamento) de 1 vértebra.

Os pacientes com espondilólise podem se queixar de dor na linha média ou lateral das costas que geralmente piora com a extensão. É incomum ter queixas de dormência, formigamento ou claudicação, mas isso pode ocorrer se uma espondilolistese estiver presente e progredir para impactar a medula espinhal.

Gerenciamento

A espondilólise unilateral em estágio inicial tem um excelente prognóstico.

As recomendações para o tratamento não cirúrgico incluem descanso do esporte culpado por dois a seis meses e fisioterapia, com foco no fortalecimento do núcleo e na melhora da flexibilidade dos isquiotibiais.

A otimização da nutrição e a ingestão adequada de cálcio e vitamina D também podem aumentar a cicatrização.

O encaminhamento cirúrgico pode ser recomendado após 6 meses de terapia conservadora sem sucesso, definida como dor persistente e evidência nos exames de imagem que não houve cicatrização óssea.

As taxas de sucesso cirúrgico são maiores em pacientes jovens (menos de 25 anos) com lesões unilaterais em L5. A artrodese, ou fusão espinhal, é uma técnica cirúrgica comum na qual as articulações facetárias são fundidas para estabilizar a fratura. No entanto, a função total e o retorno ao jogo podem ser comprometidos, pois essa abordagem resulta em amplitude de movimento reduzida.

Lesões mais leves em estágio inicial sem espondilolistese podem ser submetidas ao reparo direto, que é menos invasivo e com menos complicações.

É Possível Voltar ao Esporte?

Há evidências de que o encaminhamento precoce à fisioterapia, para abordar os fatores biomecânicos subjacentes que contribuem para essa lesão, reduz o tempo de cicatrização, possibilitando o retorno às atividades.

Assim, procurar um médico cirurgião de coluna o mais rápido possível é fundamental para o sucesso do seu plano de tratamento.

Mais informações sobre este assunto na Internet:
Acabe Com suas Dores nas Costas!
Agende uma Consulta agora com Cirurgião da Coluna.