Fraturas da Coluna Toracolombar - Saiba Mais

Fraturas da Coluna Toracolombar – Saiba Mais

Fraturas da Coluna Toracolombar. A maioria das fraturas da coluna vertebral ocorre na coluna torácica (meio das costas) e lombar (parte inferior das costas) ou na conexão das duas (junção toracolombar).

As fraturas da coluna toracolombar podem variar amplamente em gravidade. Algumas são lesões muito graves que resultam de traumas de alta energia e requerem tratamento de emergência. Outras podem ser o resultado de um evento de menor impacto, como uma queda, em uma pessoa idosa cujos ossos estão enfraquecidos pela osteoporose.

Continue a leitura e saiba mais sobre as fraturas da coluna toracolombar, suas causas, sintomas e formas de tratamento.

Fraturas da Coluna Toracolombar

A maioria das lesões toracolombar ocorre no nível T11-L1, que é a zona de transição entre a coluna torácica relativamente imóvel e a coluna lombar flexível.

Uma lesão de baixa energia tem maior probabilidade de causar uma lesão no disco intervertebral, mas um trauma de alta energia, como um acidente de automóvel ou queda, tem maior probabilidade de fraturar o osso.

Tipos de Fratura Vertebral

Existem diferentes tipos de fraturas da coluna vertebral. Os médicos classificam as fraturas da coluna torácica e lombar com base no padrão específico da fratura e se há uma lesão na medula espinhal. A classificação do padrão de fratura ajudará seu médico a determinar o tratamento adequado.

Os principais tipos de padrões de fratura da coluna são:

  • Fratura por compressão. Esse tipo de fratura geralmente é estável (os ossos não se movem para fora do lugar) e raramente está associado a problemas neurológicos. As fraturas por compressão ocorrem comumente em pacientes com osteoporose.
  • Fratura por explosão. Nesse tipo de fratura, a vértebra perde altura tanto na parte anterior quanto na posterior. Muitas vezes, é causada por aterrissar nos pés depois de cair de uma altura significativa. Uma fratura de explosão às vezes pode resultar em compressão do nervo. Algumas fraturas são estáveis, enquanto outras são significativamente instáveis ​​(os ossos se movem para fora do lugar).
  • Fratura por flexão/distração. A vértebra é literalmente separada (distração). Esse tipo de fratura pode ocorrer em uma colisão frontal de carro quando a parte superior do corpo é lançada para frente enquanto a pélvis é estabilizada por um cinto de segurança subabdominal. Esta é tipicamente uma fratura instável.
  • Fratura-luxação. Esta é uma lesão instável envolvendo osso e/ou tecido mole em que uma vértebra se move para fora de uma vértebra adjacente (deslocamento). Essas lesões frequentemente causam compressão grave da medula espinhal.

Sintomas

Pacientes com fraturas toracolombares geralmente apresentam dor nas costas e rigidez localizadas e significativas. No entanto, pacientes com outras lesões podem se queixar de dor em outras áreas e não perceber a gravidade da dor nas costas.

Os pacientes que apresentam compressão ou irritação neurológica podem apresentar dormência ou fraqueza nas pernas. Pode haver ou não sintomas de dor irradiada associados.

Pacientes com fraturas toracolombares também podem apresentar lesões em órgãos internos, como rim, fígado, intestinos e/ou baço, o que pode causar dor e distensão abdominal.

Diagnóstico

Uma fratura da coluna toracolombar deve sempre ser suspeitada quando um paciente está envolvido em um trauma ou acidente, especialmente aqueles pacientes com dor nas costas. O diagnóstico pode ser complicado quando os sintomas ou achados físicos são atípicos.

Alguns pacientes com outras fraturas ou lesões se queixam de dor em outros locais, mas não se queixam de dor nas costas. Às vezes, os pacientes podem minimizar a gravidade do acidente automobilístico ou trauma. Esses cenários podem afastar o clínico de solicitar radiografias torácicas e lombares e estudos de imagem, que são cruciais no diagnóstico de lesões toracolombares.

É importante que o clínico realize uma avaliação da história médica e um exame clínico completos (especialmente inspeção e palpação da coluna) antes de formular um diagnóstico para não diagnosticar erroneamente essa condição.

Tratamento

As opções de tratamento para pacientes com fratura toracolombar podem ser categorizadas como conservadoras e cirúrgicas.

Os tratamentos não cirúrgicos incluem tratamento com cinta (órtese) e medicamentos. Embora frequentemente usado no passado, agora é incomum que pacientes com fraturas toracolombares sejam tratados com gesso.

Os tratamentos cirúrgicos frequentemente envolvem fusão espinhal posterior e instrumentação. Outras opções incluem descompressão e fusão anterior, com ou sem instrumentação (placa metálica e parafusos).

Os objetivos gerais do tratamento são preservar ou melhorar a função neurológica, proporcionar estabilidade e diminuir a dor. Se esses objetivos podem ser alcançados com meios conservadores, então isso é geralmente preferido. No entanto, algumas fraturas e luxações toracolombares são altamente instáveis ​​e não cicatrizam adequadamente por conta própria, e a estabilização cirúrgica deve ser realizada.

A descompressão cirúrgica (remoção de fragmentos ósseos da medula espinhal) também pode ser necessária para maximizar as chances do paciente de melhora neurológica e recuperação de uma lesão na medula espinhal.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Compartilhar: