Síndrome da Falha na Cirurgia de Coluna

Síndrome da Falha na Cirurgia de Coluna

Após a cirurgia da coluna, você espera que seu problema seja resolvido. Mas, às vezes, isso não acontece. Seja imediatamente ou meses após o procedimento, a dor e outros sintomas podem retornar – um fenômeno conhecido como Síndrome da Falha na Cirurgia de Coluna.

Também chamada de síndrome pós-laminectomia, pode ser uma experiência frustrante para pacientes e cirurgiões.

Existem muitas razões pelas quais uma cirurgia de coluna pode ou não funcionar, e mesmo com o melhor cirurgião e com as melhores indicações, a cirurgia de coluna não é mais do que 95% preditiva de um resultado bem-sucedido. Continue a leitura e compreenda porque isso pode acontecer.

O que Significa Síndrome da Falha na Cirurgia de Coluna

Simplificando, a Síndrome da Falha na Cirurgia de Coluna significa que você tem dor persistente nas costas ou no pescoço após a cirurgia na coluna. Em outras palavras, o resultado esperado da cirurgia para você e seu cirurgião – que sua dor na coluna seria minimizada ou eliminada – não aconteceu.

A cirurgia da coluna tem, basicamente, um desses objetivos:

  1. Descomprimir uma raiz nervosa que está comprimida;
  2. Estabilizar uma articulação dolorosa.

Infelizmente, a cirurgia da coluna não pode literalmente eliminar a dor de um paciente. Só é capaz de alterar a anatomia, e uma lesão anatômica que é uma causa provável de dor nas costas.

De longe, a principal razão pela qual as cirurgias nas costas não são eficazes e alguns pacientes experimentam dor contínua após a cirurgia é porque a lesão que foi operada não é de fato a causa da dor do paciente.

Portanto, a melhor maneira de evitar uma cirurgia de coluna que leve ao insucesso é certificar-se (no pré-operatório) de que a lesão anatômica que causa a dor seja passível de correção cirúrgica.

Fatores de Risco

Vários fatores podem influenciar o risco de desenvolver Síndrome da Falha na Cirurgia de Coluna. Eles podem ocorrer antes da cirurgia (pré-operatório), durante a cirurgia (intra-operatório) e após a cirurgia (pós-operatório).

Fatores de Risco Pré-operatórios

Os fatores de risco abaixo não devem impedir que um paciente seja submetido a uma cirurgia de coluna; no entanto, abordar adequadamente essas questões antes da cirurgia aumentará a chance de sucesso:

  • Presença de transtornos mentais e emocionais (por exemplo, depressão, ansiedade);
  • Obesidade;
  • Tabagismo;
  • Pacientes com dor crônica relacionada a outras condições, como fibromialgia.

Os fatores de risco pré-operatórios relacionados ao cirurgião incluem:

  • Má seleção de pacientes, escolhendo um paciente que não tem chance de melhorar com a cirurgia;
  • Mau planejamento cirúrgico.

Fatores de Risco Intraoperatórios

Durante a cirurgia, os seguintes fatores podem levar à síndrome da cirurgia nas costas:

  • Falha em criar espaço suficiente ao redor dos nervos espinhais/medula espinhal (descompressão inadequada);
  • Criar muito espaço ao redor dos nervos, o que pode levar à instabilidade da coluna vertebral (descompressão excessiva);
  • Cirurgia realizada no nível errado da coluna.

Fatores de Risco Pós-operatórios

Após a cirurgia, os seguintes fatores podem contribuir para a falha da cirurgia nas costas:

  • Diagnóstico original recorrente (por exemplo, hérnia de disco recorrente no mesmo local ou em um nível próximo);
  • Doença do segmento adjacente após a fusão espinhal, onde o nível acima de uma fusão sofreu aumento do estresse e, portanto, pode degenerar de forma acelerada;
  • Fibrose epidural (quando as raízes nervosas ficam presas por tecido cicatricial);
  • Infecção espinhal;
  • Problemas relacionados ao equilíbrio da coluna, que podem acelerar a degeneração;
  • Irritação da raiz do nervo espinhal, que pode causar dor irradiada após a cirurgia;
  • Pseudoartrose, que resulta no afrouxamento dos parafusos.

Tratamentos

Saber que sua cirurgia de coluna não produziu os resultados esperados pode ser extremamente decepcionante, mas as terapias podem ajudar a reduzir sua dor e restaurar sua capacidade de funcionar na vida cotidiana.

Seu médico pode prescrever uma abordagem multidisciplinar para lidar com sua dor: isso significa que, em vez de depender de um tratamento (por exemplo, medicamentos ou fisioterapia), ele pode recomendar uma combinação de terapias que abordam de forma abrangente diferentes facetas de sua dor.

Seu médico pode encaminhá-lo para um fisioterapeuta para restaurar a função e/ou um profissional de saúde comportamental para tratar da saúde mental e emocional. Ele também pode prescrever medicamentos para ajudá-lo a controlar a dor ou você pode ser um candidato à estimulação da medula espinhal. Estes tratamentos, utilizados em combinação, lhe darão a melhor chance de recuperar sua qualidade de vida.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Compartilhar: