Cirurgia da Coluna Vertebral - História e Evolução

Cirurgia da Coluna Vertebral – História e Evolução

História da Cirurgia na Coluna. As cirurgias da coluna vertebral ao longo da história não foram tão bem-sucedidas como hoje. No entanto, após séculos de avanço científico, os cirurgiões de coluna ganharam um melhor entendimento de como realizar procedimentos minimamente invasivos que levam a menos desconforto, tempos de recuperação reduzidos e resultados de qualidade.

Neste artigo, saiba mais sobre a história da cirurgia da coluna vertebral e como ela evoluiu ao longo dos anos.

História da Cirurgia na Coluna

Há uma longa história de conhecimento médico sobre a coluna vertebral. A primeira evidência de cirurgia nas costas foi encontrada em múmias egípcias que datavam de 3.000 aC, e Hipócrates descreveu problemas na coluna, incluindo ciática e escoliose, mais de dois milênios depois disso.

Hipócrates, nascido em 460 aC, é considerado o pai da medicina. Ele era um médico grego que viveu no Egito por muito tempo. Ele ganhou conhecimento sobre anatomia estudando os cadáveres de guerreiros que morreram em batalha, e é provável que tenha feito dissecações em animais para aprender mais.

Seus relatos incluem casos de escoliose, fraturas, dor ciática e luxações de vértebras. Ele descreveu deformidades da coluna que são consistentes com escoliose. Hipócrates atribuiu as distorções da coluna à má postura e desenvolveu tratamentos envolvendo engenhocas conhecidas como escada hipocrática e tábua hipocrática. Essas ferramentas aplicavam pressão para separar as superfícies das articulações sem ferir os ligamentos circundantes.

Laminectomia – a Primeira Cirurgia da Coluna

À medida que a ciência médica avançava, aprendemos mais sobre como a coluna vertebral e a medula espinhal interagiam, e a laminectomia se tornou viável, se ainda não muito prática. Esta cirurgia envolve a remoção de partes das vértebras para aliviar a pressão sobre os nervos espinhais. Começando no início de 1800, foi a única cirurgia da coluna realizada até o século seguinte.

Depois que os cirurgiões adotaram o procedimento como um tratamento tipicamente prescrito para traumas, infecções ou tumores, ele se tornou o único procedimento cirúrgico da coluna vertebral por mais de cem anos, até que novas tecnologias e técnicas foram desenvolvidas durante o século XX.

Naquela época, a cirurgia da coluna não era confiável e apresentava altas taxas de complicações e mortalidade. Hoje, podemos esperar resultados muito melhores com tempos de recuperação curtos, com as técnicas robóticas e cirúrgicas minimamente invasivas, nos casos em que métodos não cirúrgicos não resolvem seus problemas de coluna.

As Evoluções no Século XX

Na primeira metade dos anos 1900, a fusão espinhal e a discectomia foram adicionadas ao repertório de cirurgia da coluna. A fusão espinhal tornou possível corrigir a curva espinhal característica da escoliose, enquanto a discectomia removeu discos intervertebrais defeituosos para aliviar a pressão sobre os nervos.

O desenvolvimento da penicilina em 1928 e de outros antibióticos eficazes tornou todos os tipos de cirurgia mais confiáveis, pois agora havia uma maneira de controlar facilmente as infecções que normalmente acompanham qualquer tipo de cirurgia aberta.

No último quarto do século, as técnicas endoscópicas, exigindo incisões menores e menos invasivas, fizeram com que a cirurgia da coluna pudesse ser mais precisa, com menos impacto no tecido circundante, facilitando a recuperação do paciente.

As Contribuições da Ressonância Magnética

Em 1977, foi realizado o primeiro exame de ressonância magnética em um paciente humano. Isidor Isaac Rabi é responsável pelo desenvolvimento das ressonâncias magnéticas.

A utilização da ressonância magnética significa um melhor diagnóstico antes das incisões, refinando ainda mais a precisão da cirurgia da coluna. Junto com as melhorias nos procedimentos endoscópicos, as cirurgias abertas tornaram-se menos comuns.

Embora a ressonância magnética tenha melhorado o raio-X convencional como ferramenta de imagem cirúrgica, essas não são as únicas atualizações tecnológicas que o cirurgião de coluna usa. O raio-X de “ação ao vivo”, chamado de fluoroscopia, dá uma visão em tempo real de seu corpo, permitindo uma localização precisa da anatomia durante um procedimento. As câmeras são menores, então o vídeo ao vivo através de incisões menores é outra maneira de seu cirurgião “enxergar”.

Novos Avanços no Século XXI

Graças ao desenvolvimento da tecnologia de cirurgia endoscópica da coluna, a cirurgia minimamente invasiva estava substituindo a cirurgia aberta da coluna e salvando os pacientes das complicações associadas a procedimentos menos precisos.

Os novos avanços tecnológicos dariam aos cirurgiões ainda mais controle na sala de cirurgia, e os pacientes teriam maior sucesso cirúrgico.

A introdução do laser abriu novas portas no mundo da cirurgia minimamente invasiva da coluna. Embora a cirurgia a laser tenha influenciado a cirurgia minimamente invasiva dos dias modernos, a cirurgia a laser da coluna raramente é usada para outras condições além da remoção de tumores da medula espinhal. É verdade que os lasers são uma ferramenta de corte cirúrgica importante, mas eles não são recomendados para remover material de disco herniado porque não podem ser controlados com a precisão de um bisturi.

Durante a década de 1990, muitos cirurgiões realizaram cirurgias minimamente invasivas sob microscópios. Foi durante a década de 1990 que o sistema retrator tubular, para limitar os danos aos tecidos moles, foi desenvolvido. Em 1997, foi desenvolvido o sistema de endoscópio mais amplamente usado para cirurgia da coluna vertebral. Sua técnica também foi projetada para minimizar a ruptura do tecido.

Ao longo da história, cirurgiões de todo o mundo contribuíram com suas habilidades e conhecimento para desenvolver maneiras de realizar a cirurgia da coluna vertebral com o mínimo de dor para o paciente. Hoje, existem diversos tipos de técnicas para cirurgia de coluna e é amplamente conhecido que uma técnica menos invasiva tem períodos de recuperação inicial mais curtos.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Compartilhar: