Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna

A cirurgia de coluna é tradicionalmente feita como “cirurgia aberta”. Isso significa que a área a ser operada é aberta com uma longa incisão, para permitir ao cirurgião visualizar e acessar a anatomia. No entanto, nos últimos anos os avanços tecnológicos permitiram que mais condições de dor nas costas e no pescoço fossem tratadas com uma técnica de cirurgia minimamente invasiva da coluna.

Veja neste artigo mais informações sobre a realização deste procedimento.

A Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna

Em uma cirurgia aberta tradicional, o médico faz uma incisão na pele, depois move os músculos para o lado para ver a coluna vertebral. Com os músculos ao lado, o cirurgião pode acessar a coluna para remover ossos ou discos intervertebrais danificados. O cirurgião também pode facilmente colocar parafusos e quaisquer materiais de enxerto ósseo necessários para estabilizar os ossos da coluna vertebral e promover a cicatrização.

Na cirurgia minimamente invasiva da coluna, o cirurgião de coluna utiliza instrumentos especializados para acessar a coluna através de pequenas incisões.

Como a cirurgia minimamente invasiva da coluna não envolve uma longa incisão, evita danos significativos aos músculos da coluna. Normalmente, isso resulta em menos dor após a cirurgia e uma recuperação mais rápida.

As indicações para cirurgia minimamente invasiva da coluna são as mesmas que para a cirurgia aberta tradicional. A cirurgia de coluna geralmente é recomendada quando um período de tratamento não cirúrgico – como medicamentos e fisioterapia – não aliviou os sintomas dolorosos causados ​​por seu problema nas costas. Além disso, a cirurgia só é considerada se o médico puder identificar a origem exata da sua dor, como hérnia de disco ou estenose da coluna vertebral.

Técnicas de Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna

Existem numerosas técnicas minimamente invasivas. A ligação entre todas elas é que as incisões são menores e causam menos danos musculares.

Técnicas minimamente invasivas podem ser usadas para procedimentos comuns, como descompressão lombar e fusão espinhal. A descompressão alivia a pressão nos nervos espinhais removendo porções de osso ou hérnia de disco. A fusão espinhal corrige problemas com os pequenos ossos da coluna (vértebras).

Possíveis Complicações da Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna

Como em qualquer operação, existem riscos potenciais associados a este procedimento. As complicações são semelhantes às das cirurgias abertas da coluna vertebral, com exceção de uma taxa de infecção reduzida para a abordagem minimamente invasiva. As complicações potenciais incluem:

  • Infecção – Antibióticos são administrados ao paciente antes, durante e após a cirurgia para diminuir o risco de infecções.
  • Sangramento – Uma certa quantidade de sangramento é esperada, mas isso não é tipicamente significativo.
  • Dor no local do enxerto – Uma pequena porcentagem de pacientes experimenta dor persistente no local do enxerto ósseo.
  • Sintomas recorrentes – Alguns pacientes podem apresentar uma recorrência de seus sintomas originais.
  • Pseudoartrose – Esta é uma condição na qual não há formação óssea suficiente e a fusão espinhal não cicatriza completamente. Se isso ocorrer, uma segunda cirurgia pode ser necessária para se obter uma fusão sólida. Os pacientes que fumam são mais propensos a desenvolver uma pseudoartrose.
  • Danos nos nervos – É possível que os nervos ou vasos sanguíneos possam ser feridos durante a cirurgia. Essas complicações, contudo, são muito raras.
  • Coágulos de sangue – A formação de coágulos sanguíneos nas pernas é outra complicação incomum após a cirurgia. Eles representam um perigo significativo se seguirem para os pulmões.

Antes de sua cirurgia, seu médico discutirá cada um dos riscos com você e tomará medidas específicas para ajudar a evitar possíveis complicações.

Recuperação de uma Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna

Procedimentos minimamente invasivos podem encurtar as internações hospitalares. O tempo exato necessário no hospital varia de paciente para paciente e com o procedimento individual, mas em geral, os pacientes voltam para casa no mesmo dia ou em até 2 dias. A maioria dos pacientes com cirurgia tradicional permanece no hospital por 3 a 5 dias.

Como as técnicas minimamente invasivas não afetam profundamente os músculos e tecidos moles, acredita-se que a dor pós-operatória seja menor que a dor após os procedimentos abertos tradicionais. Embora você ainda deva sentir algum desconforto, os avanços no controle da dor agora tornam mais fácil para o seu médico gerenciar e aliviar sua dor.

Para ajudá-lo a acelerar sua recuperação, seu médico pode recomendar fisioterapia. Isso depende do procedimento e da sua condição física geral. Exercícios específicos ajudarão você a se tornar forte o suficiente para retornar ao trabalho e às atividades diárias.

Se você teve um procedimento de fusão, pode levar vários meses até que o osso esteja sólido. Seu nível de conforto, no entanto, melhora muito mais rápido. Durante este tempo de cicatrização, a coluna deve ser mantida em alinhamento adequado. Você aprenderá com seu fisioterapeuta como se mover adequadamente, reposicionar, sentar, ficar de pé e andar.

O tempo que leva para retornar às suas atividades diárias após a cirurgia depende do procedimento e condição individual.

Leave a reply