Desvio de Coluna ou Má Postura – Saiba Mais

Desvio de Coluna ou Má Postura – Saiba Mais

O desvio da coluna – definido como uma deformidade no alinhamento da coluna vertebral de mais de 10 graus quando vista de frente, ou uma perda da curvatura normal quando vista de lado – pode ter um grande impacto na qualidade de vida.

Continue a leitura e compreenda o conceito de desvio de coluna, seus sintomas, diagnóstico e tratamento.

Em que Consiste o Desvio de Coluna

A deformidade da coluna vertebral se refere a um grupo de condições nas quais a coluna vertebral se dobra anormalmente para a direita ou para a esquerda. É comumente associada a uma postura de inclinação para a frente e aumento da curvatura da parte superior das costas.

Indivíduos que procuram atendimento médico para deformidades da coluna geralmente se enquadram em uma das cinco categorias:

  • Desenvolveu uma curvatura deformante da coluna vertebral na infância ou adolescência que progrediu ou se tornou mais sintomática na idade adulta;
  • Desenvolveu novas deformidades resultantes de lesão ou artrite de “desgaste” (osteoartrite). As deformidades relacionadas à lesão podem ocorrer a qualquer momento, enquanto as relacionadas à osteoartrite se desenvolvem na idade adulta posterior e progridem com a idade;
  • Tem má qualidade óssea e osteoporose que leva ao colapso das vértebras, que são os “blocos de construção” da coluna vertebral;
  • Tem um problema focal específico, como um disco intervertebral degenerado ou espondilolistese, uma condição na qual a vértebra afetada desliza para frente em relação à vértebra abaixo dela, os quais podem causar uma “cascata” de alterações degenerativas na coluna vertebral;
  • Já fez cirurgia espinhal no passado e, devido ao desgaste contínuo ou acelerado (ou às vezes, devido à posição de um procedimento de fusão anterior), desenvolve desvio da coluna vertebral.

Quando Pode Ocorrer

Desvios da coluna vertebral não são incomuns. Na verdade, mais da metade de todos os indivíduos com mais de 60 anos tem algum nível de deformidade da coluna vertebral. Conforme nossa população envelhece, essa quantidade aumenta.

Para a maioria das pessoas, essas mudanças no alinhamento da coluna são mínimas e não levam a deficiências significativas. Mas, para alguns, tornam-se doenças crônicas progressivas que podem ter um impacto significativo na qualidade de vida e na função.

Sintomas

Os sintomas podem incluir dor significativa e função reduzida.

A dor às vezes pode ser controlada com medicamentos ou bloqueio nervoso. (Isso inclui dor causada por problemas mecânicos relacionados à integridade ou estabilidade da coluna, ou causada por irritação do nervo que cria dor irradiada ou sensação alterada.) Essas medidas podem ajudar o paciente a viver sem dor incapacitante e, portanto, aumentar sua função.

Para outros pacientes, o desalinhamento e o equilíbrio precário, ao invés da dor, podem ser os principais problemas que levam à deficiência. Esses pacientes podem não conseguir ficar em pé por longos períodos de tempo ou ficarem exaustos para andar, pois não conseguem manter a postura necessária para fazê-lo.

Diagnóstico

Vários fatores podem contribuir e estar envolvidos no desvio da coluna. Isso torna o diagnóstico mais complexo do que o associado a algumas outras condições ortopédicas. Um paciente que procura atendimento médico para artrite de quadril, por exemplo, provavelmente terá uma articulação rígida e dolorida. Um simples raio-X geralmente pode confirmar o diagnóstico.

Em contraste, as causas, os sinais e sintomas são mais variados, e uma história clara da progressão da deficiência relacionada à deformidade desempenha um papel importante na determinação do tratamento.

Além de obter um histórico detalhado do paciente e realizar um exame físico completo, os cirurgiões de coluna usam técnicas de imagem sofisticadas, incluindo ressonâncias magnéticas e tomografias computadorizadas, para visualizar completamente as múltiplas estruturas que podem estar envolvidas na deformidade.

Tratamento

Os objetivos do tratamento cirúrgico do desvio da coluna são o alívio da dor e a melhora da função. Dependendo da natureza da deformidade, o cirurgião pode usar uma variedade de técnicas para trazer a coluna de volta ao alinhamento, fixá-la conforme necessário com instrumentação e / ou fusão especializada e remover ou ajustar as estruturas da coluna para aliviar a dor do nervo.

Além da tecnologia que permitiu uma melhor compreensão dessas condições e do planejamento pré-operatório, uma série de desenvolvimentos contribuíram para o aumento da eficácia da cirurgia da coluna, incluindo:

  • Novas maneiras de estabilizar a coluna vertebral com parafusos e cabos especializados e maneiras de promover a fusão com agentes biológicos, enxertos ósseos e células ósseas;
  • Técnicas que minimizam a perda de sangue durante a cirurgia;
  • Avanços na anestesia que permitem uma recuperação mais rápida e mobilização precoce;
  • Melhor controle da dor após a cirurgia.

Como acontece com qualquer cirurgia ortopédica, ao determinar a elegibilidade do paciente para procedimentos para corrigir desvios da coluna vertebral, a idade e o peso do paciente são levados em consideração.

No entanto, o nível de robustez do paciente – que não está necessariamente associado à idade – pode ser o fator mais importante. Um índice de fragilidade, que avalia a reserva fisiológica do paciente e a capacidade de suportar a cirurgia e os desafios da recuperação, pode ser um preditor significativo do tempo de permanência do paciente no hospital, complicações potenciais e prognóstico.

Recuperação e Resultados

Nos últimos anos, o tratamento na correção cirúrgica das deformidades da coluna mudou drasticamente, com o desenvolvimento de uma abordagem mais individualizada e sofisticada. O mesmo ocorre com a recuperação.

Hoje, a recuperação no hospital é muito mais rápida. Além disso, mesmo os pacientes que se submetem a cirurgias envolvendo múltiplos segmentos da coluna ficam fora do leito e mobilizados logo após a cirurgia. A maioria dos pacientes não precisa de órtese e volta para casa para reabilitação após a cirurgia, a fim de retomar suas rotinas habituais o mais rápido possível.

Com os muitos avanços em anestesia, tratamento cirúrgico e cuidados pós-operatórios, existem mais opções de tratamento disponíveis.

No entanto, é importante que os pacientes e suas famílias entendam que a coluna vertebral continuará a se deteriorar com o envelhecimento e que a possível necessidade de tratamento cirúrgico adicional não significa que o procedimento inicial foi um fracasso.

Por exemplo, corrigir com sucesso uma deformidade devido à doença degenerativa do disco em uma seção da coluna vertebral não evitará a necessidade de um tratamento adicional no futuro se a doença afetar outra parte da coluna.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 16 de janeiro de 2019 e Atualizado em: 11 de junho de 2021

Compartilhar: