Estenose Espinhal - Saiba Mais sobre o Estreitamento das Vértebras

Estenose Espinhal – Saiba Mais sobre o Estreitamento das Vértebras

A estenose espinhal é o estreitamento dos canais ósseos pelos quais passam os nervos e a medula espinhal. Diversas condições podem fazer com que as articulações facetárias e os ligamentos aumentem e engrossem, restringindo o espaço para os nervos se movimentarem livremente.

Os nervos comprimidos ficam inflamados e causam dor, cãibras, dormência ou fraqueza nas pernas, costas, pescoço ou braços.

Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre a estenose espinhal, suas causas, sintomas e formas de tratamento.

Em que Consiste a Estenose Espinhal

Estenose é uma condição degenerativa que acontece gradualmente ao longo do tempo e refere-se a:

  • Estreitamento dos canais radiculares espinhais e nervosos;
  • Ampliação das articulações facetárias;
  • Espessamento e enrijecimento dos ligamentos;
  • Supercrescimento de esporões ósseos.

A estenose pode ocorrer ao longo de qualquer área da coluna (cervical, torácica, lombar), mas é mais comum na região lombar. Quase todo canal medular do adulto se estreita com a idade; no entanto, para a maioria das pessoas, isso não causa sintomas.

Estreitamento do canal radicular (estenose lateral) pressiona os nervos espinhais, causando inflamação e dor. Estreitamento do canal vertebral (estenose central) pressiona a medula espinhal causando inflamação e fraqueza.

Causas

Conforme você envelhece, seus ossos sofrem alterações degenerativas que fazem parte do processo natural de envelhecimento. A osteoartrite é a causa mais comum de estenose espinhal:

  • O disco de amortecimento entre as vértebras seca e encolhe;
  • Você perde massa óssea;
  • Os esporões ósseos se desenvolvem;
  • Suas articulações podem aumentar devido à tensão e ao estresse.

Quanto maior a articulação facetária se torna, menor o espaço disponível para o nervo espinhal à medida que sai do canal radicular.

A estenose também pode ser causada por outras condições degenerativas, como:

  • Espondilose ou espondilolistese;
  • Lesão traumática, fratura vertebral e luxação;
  • Artrite reumatoide ou espondilite anquilosante;
  • Condições metabólicas, como doença de Paget ou fluorose, um nível excessivo de flúor no corpo.

Sintomas

Os sintomas geralmente se desenvolvem com o tempo ou podem ocorrer como um início repentino de dor. Você pode desenvolver dor crônica ou, às vezes, uma dor aguda e intensa em diferentes áreas, dependendo de qual parte do canal espinhal se estreitou. A dor pode ir e vir ou ocorrer apenas durante certas atividades, como caminhar.

Estenose lombar pode causar dor, assim como formigamento ou dormência que começa nas nádegas e irradia para as costas de ambas as coxas e às vezes para os tornozelos, uma condição chamada ciática.

A estenose também causa dificuldade para caminhar e fraqueza nas pernas, geralmente nas panturrilhas, que ocorrem com a marcha ou em pé e desaparecem com a postura sentada e o descanso. Com o tempo, os sintomas aumentam, reduzindo a resistência física.

A estenose cervical pode causar dor, assim como formigamento ou dormência que irradia do pescoço para os ombros até os braços e as mãos. A pressão na medula espinhal, ao percorrer a coluna cervical, pode causar fraqueza e espasticidade nos braços e pernas.

Diagnóstico

Quando você sentir dor pela primeira vez, consulte o médico cirurgião de coluna. Ele avalia seu histórico médico completo para entender seus sintomas, identificar quaisquer lesões ou condições prévias e determinar se os hábitos de vida estão causando a dor. Em seguida, um exame físico é realizado para determinar a origem da dor e testar qualquer fraqueza muscular ou dormência.

Pode ser necessário realizar exames de imagem, como:

  • Radiografia;
  • Ressonância magnética;
  • Tomografia computadorizada;
  • Estudo com Doppler arterial.

Com base nos resultados, podemos definir os métodos de tratamento.

Tratamento

Não existem medicamentos que possam parar ou curar a estenose espinhal. O tratamento conservador e não cirúrgico é o primeiro passo para controlar os sintomas leves e moderados da estenose espinhal. No entanto, se você tem dor intensa incapacitante e dificuldade significativa para caminhar, podemos recomendar cirurgia.

Tratamentos não Cirúrgicos

  • Autocuidado: Usar a postura correta e manter a coluna alinhada são as coisas mais importantes que você pode fazer pelas suas costas. A parte inferior das costas (lombar) suporta a maior parte do seu peso, portanto o alinhamento adequado desta seção pode evitar lesões nas vértebras, discos e outras partes da coluna. Talvez seja necessário fazer ajustes nos seus hábitos diários de ficar em pé, sentado e dormindo. Você também pode precisar aprender maneiras adequadas de levantar e dobrar o corpo para retardar a progressão da estenose.
  • Fisioterapia: O objetivo da fisioterapia é ajudá-lo a voltar à atividade plena o mais rápido possível. Os fisioterapeutas trabalharão com você para fortalecer os músculos das costas, das pernas e do abdome, alongar e aumentar a flexibilidade da coluna e das pernas. Exercícios de fortalecimento são elementos-chave para o seu tratamento e devem se tornar parte de sua aptidão vitalícia.
  • Medicação:
    • Os antiinflamatórios não-esteroidais (AINEs) são usados ​​para reduzir a inflamação e aliviar a dor.
    • Analgésicos podem aliviar a dor, mas não têm os efeitos anti-inflamatórios dos AINEs.
    • Esteróides por via oral podem ser prescritos para reduzir o inchaço e a inflamação dos nervos.
  • Injeções de esteróides: Este procedimento minimamente invasivo envolve uma injeção de corticosteróides e um agente anestesiante diretamente na área dolorida para reduzir o inchaço e a inflamação dos nervos. As injeções são feitas em conjunto com fisioterapia e / ou programa de exercícios em casa para fortalecer os músculos das costas e prevenir futuros episódios de dor.

Tratamentos Cirúrgicos

A cirurgia para estenose espinhal envolve a remoção do crescimento ósseo excessivo para aliviar a pressão e a compressão dos nervos espinhais. Outro objetivo da cirurgia é parar o movimento doloroso de um segmento espinhal instável. Entre os procedimentos realizados, estão:

  • Descompressão da coluna vertebral (laminectomia): para dar mais espaço para os nervos espinhais saírem do canal vertebral.
  • Fusão da coluna vertebral: a junção permanente de duas ou mais vértebras para dar estabilidade à coluna.
  • Laminoplastia: abre o espaço dentro do canal vertebral.

Não se preocupe em compreender todos esses procedimentos. Seu médico cirurgião de coluna irá discutir com você as melhores abordagens para o seu tratamento.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 26 de julho de 2019 e Atualizado em: 15 de abril de 2022

Compartilhar: