Mielopatia Espondilótica Cervical

Mielopatia Espondilótica Cervical

A mielopatia espondilótica cervical (MEC) é um dos motivos mais comuns de disfunção da medula espinhal em pacientes idosos. A medula espinhal é uma das estruturas mais importantes do corpo humano. Danos a essa estrutura podem resultar em uma cascata de sintomas, já que a medula espinhal é a principal via neural para transmitir mensagens do cérebro para o resto do corpo.

Compreenda a Mielopatia Espondilótica Cervical

Mielopatia descreve qualquer dano à medula espinhal, que pode surgir por uma variedade de causas diferentes. Normalmente, os danos à medula espinhal ocorrem quando esta é comprimida por alguma estrutura da coluna. Essa anormalidade interrompe a capacidade dos nervos de transmitir mensagens para outras áreas do corpo.

A coluna cervical é a parte da coluna localizada no pescoço. Portanto, essa condição específica ocorre nessa região da medula espinhal. Espondilose descreve qualquer desgaste relacionado à idade que ocorre naturalmente na coluna vertebral. Então, condições como osteoartrite, degeneração de disco e hérnia de disco podem ser causas.

Assim, a MEC descreve os danos à coluna cervical como resultado direto do desgaste relacionado à idade. Devido à natureza da condição, afeta a maneira como os nervos transmitem mensagens para outras partes do corpo. Portanto, a MEC geralmente resulta em dor, fraqueza e formigamento em áreas como braços e pernas, além do pescoço.

Causas e Fatores de Risco

Existem muitas condições que contribuem para o dano estrutural da coluna cervical:

  • Esporões ósseos: a forma como o corpo reage a uma condição conhecida como osteoartrite. Basicamente, os esporões ósseos são pequenas protuberâncias ósseas que se formam ao redor dos discos à medida que perdem seu conteúdo com o processo natural de envelhecimento. Os esporões ósseos se formam para fortalecer as estruturas agora enfraquecidas da coluna, mas infelizmente, isso não dá muito certo. Em vez disso, os esporões ósseos tendem a pressionar as raízes nervosas adjacentes e a própria medula espinhal, causando dor.
    Hérnia de disco: os discos espinhais são como almofadas gelatinosas com um material interno macio e uma casca externa mais dura. Com o tempo, o anel externo se desgasta como resultado natural da idade ou através de lesões traumáticas. Quando isso acontece, o material interno mais macio pode sair da casca externa mais dura e pressionar as terminações das raízes nervosas próximas. Isso resulta em dor e desconforto para o paciente.
  • Artrite Reumatoide: uma doença auto-imune que se traduz no sistema imunológico atacando seus próprios tecidos. Mais especificamente, a condição tem como alvo a membrana que reveste as facetas das articulações da coluna cervical. Esta membrana incha como resultado, o que reduz a quantidade de espaço disponível na área imediata da medula espinhal.

Sintomas da Mielopatia Espondilótica Cervical

Na maioria das vezes, os sintomas se manifestam lentamente e progridem a uma taxa constante por um período de tempo (geralmente alguns anos).

Pacientes com a condição podem apresentar um ou mais dos seguintes sintomas:

  • Sensações de formigamento ou dormência nas extremidades;
  • Fraqueza muscular que progride ao longo de um período de tempo. Geralmente isso ocorre nos braços, ombros ou mãos. Como resultado, os pacientes têm problemas para realizar atividades diárias básicas, como levantar ou segurar objetos;
  • Problemas para caminhar ou dificuldade para manter o equilíbrio, com uma distinção entre essa sensação e vertigem. Em vez de sentir tonturas, os pacientes descobrem que há uma dissonância não natural entre a posição da cabeça em relação ao corpo;
  • Perda de habilidades motoras finas, com problemas para realizar atividades como escrever, comer e segurar objetos;
  • Dor ou rigidez na coluna cervical.

Tratamento da Mielopatia Espondilótica Cervical

Nas manifestações leves de MEC, buscamos inicialmente um plano de cuidados conservadores, antes de considerar uma rota cirúrgica para o paciente. Para tratamento conservador, as opções são geralmente:

  • Colar cervical acolchoado: é útil para reduzir o movimento do pescoço. Isso, por sua vez, permite que os músculos do pescoço descanse enquanto são mantidos no lugar. Isso, no entanto, deve ser usado apenas como medida temporária, pois o uso prolongado pode enfraquecer os músculos do pescoço ao longo do tempo;
  • Fisioterapia: Certos exercícios são ótimos para aumentar a força dos músculos do pescoço, o que ajuda a aumentar a flexibilidade e a amplitude de movimento do paciente. Isso também treinará os músculos para suportar as forças cotidianas que as atividades diárias podem exercer no pescoço;
  • Medicação: Existem muitos medicamentos possíveis para tratamento da MEC. Os AINEs são uma forma popular de tratamento, mas corticosteroides orais, injeções peridurais e narcóticos também são eficazes para aliviar os sintomas.

Se métodos conservadores não forem suficientes para aliviar seus sintomas, seu médico poderá recomendar a cirurgia. O tipo de procedimento recomendado dependerá da natureza e localização do distúrbio, assim como da gravidade do seu caso e dos elementos específicos que cercam sua condição.

Referência: International Scholarly Research Notices

Compartilhar: